Esporte

Projeto Ariel leva Jiu-Jitsu para jovens do Bairro Santo Antônio

Prática do esporte começou, em novembro, e ideia é ampliar para outros bairros


- Lidiane Mallmann

Lajeado - O projeto Ariel é realizado, desde novembro do ano passado, no Bairro Santo Antônio, e leva a prática de Jiu-jitsu para crianças e adolescentes até 16 anos.


Helena Trindade é uma das mães que acompanha as atividades, pois o filho de oito anos participa. Como ela é síndica do prédio Novo Tempo II, conheceu a iniciativa pelo fato de atender as crianças que residem no local.


"Gostei muito desse projeto, pois vejo que traz resultados positivos. A iniciativa tira as crianças da rua e eles não ficam tão rebeldes. Por isso, quem puder ajudar e conhecer a iniciativa eu ficaria feliz."


As aulas ocorrem no espaço de recreação do prédio Novo Tempo II, nas terças e quintas-feiras, a partir das 16h. Para participar, os jovens precisam estar com boas notas na escola, não reprovarem e serem bem comportados em casa. "Começamos com as crianças do edifício Novo Tempo I e II e agora o projeto já ultrapassa os portões dos prédios. Fico muito feliz com isso, porque quero, somente, ajudar e dar uma oportunidade para eles", destaca o coordenador do projeto e professor do esporte, Fernando Teixeira.

O Bairro escolhido para o projeto foi o Santo Antônio, pois uma aluna que praticava o esporte na academia de Teixeira e lá reside, não tinha condições de pagar a mensalidade. Como ela conseguiu uma bolsa, o professor sugeriu que a prática de Jiu-jitsu fosse ampliada para outras crianças e adolescentes de forma gratuita.
Ele ministra as aulas de forma voluntária e também leva os materiais necessários como o tatame e os quimonos. "Gosto muito da atividade e é muito bom poder ajudar. Além de ajudar na saúde física e mental, o Jiu-jitsu mostra que todos somos iguais com respeito, união e hierarquia. Ele nos ensina a lidar com as situações diversas. Os resultados já estão sendo bons, porque também somos uma família. O esporte é nossa segunda casa."


Por ser um projeto voluntário, as mensalidades e materiais não são cobrados dos alunos. Interessados podem colaborar com materiais, com as roupas especiais para o exercício ou com lanche. "Quero ajudar a comunidade de Lajeado e, por isso, tenho a ideia de ampliar o projeto para os outros bairros."


No mês de fevereiro, alunos do projeto irão participar de um campeonato em Tramandaí. O projeto irá custear a passagem, alimentação e inscrição dos participantes. "Muitos dos alunos ainda não conhecem o mar. Tenho certeza que eles irão gostar muito e será um grande aprendizado a participação."

 

Comentários

VEJA TAMBÉM...